segunda-feira, dezembro 29

ANO NOVO VIDA NOVA ?

ANO NOVO (MÁ) VIDA NOVA

Parece que ninguém tem dúvida que o ano de 2009 vai ser para todos um ano de (mais) sacrifício!
Mas, como nós portugueses, já estamos habituados a viver permanentemente em sacrifício, não será muito diferente do ano que agora acaba!
Fazer o balanço de 2008 é matéria para os especialistas!
No entanto não posso deixar passar sem falar da atitude do nosso governo que salva banqueiros à custa do Zé Povinho!
O caso do Banco Privado é gritante! Enquanto "encheram a mula" fazendo negócios com resultados astronómicos, só se lembravam do governo quando era preciso fazer a fuga ao fisco!
Depois fizeram maus negócios e aí aparecem no papel de vitímas e a pedir a salvação!
Se no BPN o efeito da falência deste banco poderia trazer por arrasto consequências bem piores do que o custo da nacionalização, no caso do Banco Privado, era altura de alguém dizer "os ricos que paguem a crise"!
Mas, não! "Há que salvar os senhores do aparelho"!
E assim, o portugua é mais uma vez "roubado" e paga o que não deve!
O que mais aí virá?
Vão aparecer mais escandalos e o governo a pagar com o dinheiro de todos nós!
Mas, há uma crise mundial real e daí que aproximam-se ventos agrestes!
Na discussão de toda esta conjuntura retive uma frase de um economista famoso que dizia:-
"Em 2009 todos os portugueses tudo devem fazer para preservar o seu emprego!"
Julgo que esta frase representa muito do que nos espera e por achar que a mesma encerra uma grande verdade, desejo a todos, visitantes ou não do "Faro Este", que consigam efectivamente manter o seu posto de trabalho!
Bom 2009, dentro do possível

3 comentários:

Pierrot le Fou disse...

Com um pouco de imaginação, quase que chegamos à verdadeira crise, que seria mais ou menos assim:
Não era má ideia, por exemplo, acabar com o trabalho para todos (médicos, professores, pedreiros economistas, padeiros, cientistas, todos...).
Evitariamos as greves, acabariamos definitivamente com a recessão programada (o dinheiro tem que estar em algum lado!!), tendo como consequência, um aumento considerável das propostas de trabalho e de emprego, imaginando-se assim, dias de sofrimento e de terror, tanto para aqueles que se acomodam ao impasse de lucro pré-destinado (para os mesmos de sempre e seus offshores dissimulados), como para os trabalhadores que fazem funcionar a máquina global numa cumplicidade só por vezes inconsciente, já que quando se trata de intervir na sociedade, guardam-se as energias para brincar aos novos ricos ou aos consumistas deliberados com tendências para tolerâncias excessivas, na posião de cidadão não eleitor que responsabiliza todos menos o seu ego.
Depois deste comentário imaginário e confuso,
resta-me desejar um Bom Ano 2009 com trabalho ou emprego mas que sirva a existência de quem gera a riqueza, e não o Tio patinhas no seu cofre blindado (personagem de ficção da banda desenhada ou transfiguração da realidade por um visionário que já deixava as suas dicas "à la Molière"?)

Abraço,

Pierrot le fou

marceano disse...

Hoje, a informação escrita, televisão, rádios, filtram, não eles mas os empregadores, a informação.~
Graças à net, teremos o contacto, o conhecimento, a leitura de tudo o que existe, se faz e o que se passa nesta Bolinha Azul.
O nosso Planeta~
O nosso habitat.
A nossa casa.
Ainda... em liberdade.!!

A ciencia, já provada diz: ainda haverá gente inteligente- somos todos- que o equilibrio é possível.
Mas parece que a "malta" -os seres humanos- , gostam de utopias, gostam de viver aquilo que não poderá acontecer.
O facto real é que ,acontece.!!

E perante esta objectiva questão, porque não me apetece falar para os peixes.. os mujos, taganas ou outros nomes, deixo aqui uns blogs, a ler, importante, deixem as bandeiras.. - a liberdade ainda permitida..- :
"Jose Maria Martins",
"Bilderberg" -Wilkipedia.
A maçonaria , no seu extase extasiado.

O nosso planeta, na mão de oportunistas.

Para acabar, hoje,:
Sabem que o Dubai, um dos 7 países dos Emiratos , parou???
A construção, o expoente máximo que acreditamos?, parou?
Tudo na "rua"...
Sabem que 6 hoteis em construção em Macau, Las Vegas, pararam ??
Sabem que 55 biliões doll. de construção, apenas no estado de NY pararam?
Sabem..onde respirar?
Por enquanto ainda o nosso céu azul tem oxigénio, por tal só, pelo oxigénio...

Não sou purista, ecológico extremo, lembro-me apenas que o hitler só se matou, no último momento. dizem...

Não quero ser governado por gentes dementes.
Tenho família, amigos.
Nâo bastará????

Pensem, pensem.. desta é mesmo a sério.
Cumprimentos

marceano disse...

Esqueci-me ontem de dizer o seguinte:
A economia dos países árabes depende apenas das receitas do petróleo.
Enquanto nestes anos todos os preços do crude funcionaram para estes produtores o que se traduziu em fortes investimentos mundiais, a coisa correu bem.
Agora que de repente os valores baixaram, a economia deles parou...ponto universal, real.
Parece que a fasquia é: 50 doll/barril., para continuarem.
Enquanto não chegar aí, a economia dos investimentos e obras ficará parada.
Com os muitíssimos milhares de desempregos que automáticamente se estão a acumular, nesse mundo emergente, estão a surgir paralelamente mais polos de fraqueza. Os estados são a única credibilidade que ainda funciona..até ver...
Até parece que há gente a mais neste planeta.
A economia da guerra, a economia do petróleo, a economia da especulação. São as que funcionam de facto.
Para a próxima quero ser um pássaro. Não há fronteiras, pode-se voar, pode-se viver.
Fora das épocas da caça...
Poça, que planeta este..!!!
Tanta inteligencia desperdiçada.
Faz-me lembrar os bunkers que por esse mundo fora se fizeram nos anos 50. Como se depois de uma guerra atómica os sobreviventes dos bunkers tivessem para eles apenas um planeta mais limpo, mais acessível, mais puro.Eleitos..num deserto...atómico.É preciso estender o raciocinio a este nível. E reparar que a única hipotese é não caír na veleidade que o mal só chega aos outros, nunca a nós...pois parece que vai chegar a todos, com bunkers ou não.
Parece que a recuperação mundial passará outra vez por uma economia de guerra, que está querendo surgir por aí e por ali.
Os vícios da economia serão já inalteráveis.
O planeta está esgotado, doente.
Coisas para pensarmos.
Cumprimentos.