terça-feira, setembro 1

Arruada com Manela...

Hoje ao fim do dia haverá arruada com a "dona" do PSD !
É Sócrates, é João Soares, é Manuela Ferreira Leite, é tudo a "arruaçar" em Faro!
Mas será que esta gente vem cá fazer alguma coisa de útil ?
Ainda haverá alguém que compre a "banha da cobra" que esta gente apregoa ?
Confesso que não acredito!
Os Portugueses estão fartos destas cenas, onde cada um diz uma bacurada maior que o anterior e assim sucessivamente !
Os Portugueses estão desiludidos com a política e os políticos !
Baixaram os braços e resignaram-se a ser governados por uma classe que já não engana ninguém e que em vez de defenderem o povo vão continuando a "coçar-se para dentro"!
E, face a tudo isto, o que faz o Zé nas eleições?
Abstem-se !!!
E aqui é que está o "busílis" do problema!
É preferível o voto em branco à abstenção!
Se estes senhores não vos inspiram confiança para votarem neles, então a saída é o voto em branco!
Vamos todos lutar contra a abstenção, e aconselhar os abstencionistas a colocar o papelinho na urna, mas,..... em branco!

28 comentários:

Anónimo disse...

Nos votos em branco pode-se fazer uma cruz. É só escolher!

Pedro Cabeçadas disse...

Quer dizer que numa assembleia de voto, nas contagens alguém pode tornar um voto em branco num voto de qualquer força concorrente?
Eu não acredito, até porque já fiz parte de assembleias de voto!
Pedro

Anónimo disse...

Qual é o espanto, nunca foi feito?

Anónimo disse...

O voto em branco, se bem que possa ser entendido como um voto de protesto, constitui, na prática, uma demissão da responsabilidade que nos cabe como eleitores. Quem não quer votar no centrão tem opções: CDS, CDU ou BE(só para falar nos mais notórios). É uma forma de tentar provocar alterações às políticas (ou à política) do Bloco Central.
A abstenção e votos nulos (os tais com "bonecos", várias cruzes, etc.) é que não são hipótese que os cidadãos responsáveis devam colocar.

Anónimo disse...

Meu amigo,

As eleições não se ganham ao votar mas sim na contagem dos votos.
Poderia dizer-lhe por experiência própria a quantidade de votos que sendo brancos passam a um partido que esteja bem representado na mesa e respectiva assembleia(basta uma caneta na mão e a distração dos outros membros da assembleia) tal como os votos duvidosos que podemos sempre alegar que foram mal anulados e canalizá-los para onde quisermos.
Santa ignorância a sua Pedro ao pedir para votar em branco. Deveria sim era pedir que todos votassem com convicção. A democracia participativa com eleições será porventura imperfeita, mas é sem dúvida o melhor sistema inventado até hoje.

Anónimo disse...

O meu amigo Pedro tem muita razão, porem gostava de saber qual a razão para não ter colocado no mesmo rol o sr. macário, ou, é porque "ainda haverá quem compre a banha da cobra que esta gente apregoa?"
Como eu sou daqueles que estou "farto destas cenas, onde cada um diz uma buracada maior que a anterior e assim sucessivamente!" vou votar em branco ou nulo tambem para as eleições autarquicas.
E, já agora faço um desafio ao meu amigo Pedro, VÊ SE CONSEGUES ARRANJAR DIFERENÇAS ENTRE OS POLÍTICOS QUE CITASTE E O QUE EU CITEI, E, SE CHEGARES À CONCLUSÃO COMO EU JÁ CHEGUEI, QUE SÃO FARINHA DO MESMO SACO, PELO MENOS POR COERÊNCIA VOTA EM BRANCO TAMBEM NAS AUTARQUICAS.

Anónimo disse...

Não permitam que o vosso voto de contestação (em branco), seja utilizado de uma forma desonesta. Ao menos façam um "belinho" no boletim de voto!

Pedro Cabeçadas disse...

Não costumo comentar os comentários mas neste caso tenho mesmo que o fazer!
Recuso-me a acreditar que nas contagens de votos possa haver o que alguns dizem, de transformar votos em branco em votos a favor de um qualquer concorrente!
Já por duas vezes fiz parte de uma mesa de voto e posso garantir que não houve absolutamente nada de aldrabice!Até porque estão presentes membros das forças concorrentes!Portanto, não acredito que votos brancos possam ser utilizados a favor de alguém!
Não acredito nem posso acreditar!Porque se isso acontecesse, então seria a desilusão total e completa!
O voto é a arma do povo!É o expoente máximo da democracia!
Se forem adulterados, então acaba-se a democracia, a liberdae, a esperança, acaba-se tudo!
Portanto, volto a afirmar que não acredito em vigarice nas eleições!
Por outro lado eu digo "se estes senhores não vos inspirarem confiança, TODOS, então votem em branco!
Acrescento que "os senhores em qustão" como alguém diz, "são farinha do mesmo saco"!Serão para muita gente!
Desafia-me um comentador a comparar Macário com estes senhores!E porque não Apolinário? E porque não Vitorino? E assim sucessivamente..
Talvez este comentador possa ter alguma razão, mas, nas eleições autárquicas,no mínimo, posso mais tarde enfrentar o eleito e dizer-lhe o que me vai na alma!
Daí que se apelo ao voto em branco nas legislativas, tal como fiz nas europeias,mas nas autárquicas peço que votem em consciência no candidato que acharem melhor!
Este, pelo menos, é uma figura pública local, que pode ser questionada, em último caso nas sessões da Assembleia Municipal!
Nem que seja para lhe chamar aldrabão!
Pedro

João disse...

Todo este movimento que se gera em torno da politica, em torno do processo eleitoral é por demais cansativo... Por estas alturas, sejam centristas, sejam extremistas, todos eles se desdobram seja no apoucar das ideias dos seus opositores, seja no endeusar das suas próprias ideias. Na realidade, aos cidadãos comuns, diga-se o que se disser, todos eles são farinha do mesmo saco e importante seria que, em definitivo, surgisse alguem neste mundo que demonstrasse a coragem de, tão somente, falar verdade. Utopia? Talvez! Mas que bem que nos saberia por uma vez que fosse não sentirmos que nos mentem, descaradamente, e com sorriso deslavado na cara...
Creio que a Camara de Faro está mal financeiramente e por tal não deverá ser fácil a ninguem fazer trabalho substancial no sentido de recolocar o concelho no lugar que, creio, merece. Mas mesmo a falta de dinheiro nem sempre deverá servir para justificar a inércia. Pergunto por exemplo, porque é a minha terra, porque raio é e Junta de Freguesia de Estoi responsável pela recolha de lixo (do que é possivel recolher pois muito dele voa com o vento e inunda os terrenos vizinhos, ribeiras, hortas, ...) que é produzido a cada mercado mensal que se realiza naquela terra? São cinco ou seis homens, mais maquinaria, que fica afecto à limpeza do espaço sem que se perceba muito bem porquê. Obrigar os vendedores a deixarem o espaço do seu negócio tão limpo quanto foi encontrado não seria melhor solução? Distribuir-lhes sacos de lixo e informar esta gente das condições que se exigem que sejam cumpridas será assim tão dificil? Aos donos de loja não lhes é permitido que joguem o lixo que produzem para a rua pois não? (Não tenho nem lojas nem negócios alguns, somente procuro o melhor para a minha terra). Reeducar modos de trabalho será, acho eu que não sou ninguem, um bom principio para se começar a engrandecer o concelho, por via disso o país, e em ultima instancia, conseguir com isso trazer malhor qualidade de vida às pessoas, que é o que se pretendia que os politicos fizessem.
Mais haveria a falar... exemplo: alguem gosta de ver os caixotes de lixo inundados de móveis velhos e, ultimamente, de restos de jardins? Compreendo que quem joga aquelas matéria fora (relva, restos de arbustos, ramos de arvores) não tenha onde ou como se livrar dos mesmos. E se ao contrário de se ver em permanência a via publica inundada dessas matérias, a Camara criasse um espaço para se colocar esses lixos, podendo inclusivamente vir a construir um centro de compostagem dos mesmos de forma a utilizar esse recursos duma forma util?
A minha visão, admito, será curta para aquilo que é a realidade da administração de um espaço tão grande quanto o é um concelho... mas... mas de pequenas coisas se poderão fazer grandes obras. E, estou certo disso, o que todos nós queremos é poder viver numa terra melhor, numa terra que nos orgulhe pela qualidade de vida que passam às pessoas que a constituem. Que se prometa menos e que se faça mais. Quero lá saber se é Macário,se é Apolinário ou Vitorino. Quero viver bem e quero que me proporcionem a possibilidade de o fazer. E é só!

Anónimo disse...

Sr. Pedro essa história do voto ser a arma do povo são balelas românticas de um marxismo caduco, aproveitado por doutrinas contrárias para manter a ilusão de que temos alternativas.
É claro que a manipulação de votos não se faz de forma que possa ser posteriormente questionada na praça pública, em blogues ou em outros meios de informação.
Se você quisesse "mexer" nos votos em branco, com certeza não o iria fazer à frente de toda a gente.
Não sejamos ingénuos.

Anónimo disse...

Também não acredito que haja vigarice com os votos em branco.

Anónimo disse...

Apanágio do regime democrático, o voto é a forma através da qual os cidadãos, por via da eleição ou do referendo, podem manifestar a sua vontade relativamente ao modo como o poder político é exercido pelos governantes.



Embora hoje seja um direito universal, isto é, generalizado à grande maioria dos cidadãos, o exercício do voto foi durante muito tempo exclusivo de alguns grupos, nomeadamente ao nível das classes, da etnia e até do género.



O direito ao voto constitui-se assim como o resultado de muitas lutas e conquistas ao longo da História e, talvez por isso, existam países que decidiram fazer dele um acto obrigatório, como por exemplo o Brasil. Em Portugal, o voto não é uma obrigação, mas um direito consagrado na Constituição como um “dever cívico”, de alguma forma lembrando o esforço de alguns para oferecer a todos essa possibilidade.

Anónimo disse...

A necessidade que algumas pessoas têm de justificar a idoneidade do sistema quanto ao voto, só me convence de que de facto há marosca!

Anónimo disse...

Deixem-se de invenções!Somos quase terceiro mundistas mas as eleições decorrem com honestidade!
Então agora toda a gente diz que há marosca nas eleições?
Vão dar banho ao cão!

Anónimo disse...

Já fui o presidente de uma assembleia de voto e posso garantir a todos que não há, nem pode haver qualquer fraude!O sistema de contagem não permite que tal aconteça!Só com o conluiu de todos, o que nunca seria possível!

Anónimo disse...

Se há 34 anos são os mesmos a ganhar, isso dá que pensar. Porque é que após uma revolução popular de cariz socialista, os partidos que se identificam com os ideais revolucionários são os menos votados?
Em Portugal, desde que há eleições "livres" que há manipulação dos votos!

Anónimo disse...

Em Portugal, desde que há eleições "livres" que há manipulação dos votos!
A ser verdade é como era no estado novo!
Então o que mudou???
Revoluções com cravos?? O que deu?
Será que estamos pior que antes do 25/4 ?

Anónimo disse...

A “rentrée” na UNIVERSIDADE de VERÃO do PSD em Castelo de Vide realizou-se no HOTEL SOL & SERRA que é propriedade do empresário FERNANDO BARATA todos os anos reúne cerca de uma centena de jovens laranjas. A propósito da ética política - do compromisso de verdade e dos apelos aos apoios às pequenas e médias empresas da Ferreira Leite. É ÚTIL DIZER AOS ELEITORES COM BASE NA INFORMAÇÃO ACTUALIZADA EM 2009-08-31 da LISTA DE DEVEDORES das FINANÇAS – DIRECÇÂO GERAL DE IMPOSTOS – o NIPC 500208050 com a designação ORGANIZAÇÕES HOTELEIRAS BARATA, LDA – consta já a algum tempo nos CONTRIBUINTES COLECTIVOS DEVEDORES de 500.001 a 1.000.000 Euros. Sendo a srª Ferreira Leite e seus apaniguados avessos à aceitação da EVASÃO FISCAL ( as suas experiências anteriores de Ministra das Finanças assim o confirmaram) será que esta ida a Castelo de Vide é mais uma forma eleitoralista de branqueamento do CRIME FISCAL.

Paula Teixeira da Cruz – Presidente da Assembleia Municipal de Lisboa (PSD) – sublinhou que os representantes que legislam ( isto como referência aos candidatos a deputados na Assembleia da República) têm de estar fora de “uma lógica de suspeição de falta de rigor, de falta de isenção e falta de imparcialidade”

As listas eleitorais do PSD incluem dois arguidos em processos judiciais, António Preto e Helena Lopes da Costa, pelo Círculo de Lisboa, o que motivou duras críticas à direcção do partido.
afirmou Marques Mendes, num jantar-conferência na Universidade de Verão do PSD, que decorre em Castelo de Vide.

Marques Mendes aponta a falta de ética na política como um dos «pecados capitais» da democracia. Assim, um político condenado por crimes graves como corrupção ou fraude fiscal deve afastar-se. «Acho que, a bem dele, a bem da instituição e a bem da política não deve poder candidatar-se a eleições», defendeu. «Não é preciso ser monge», diz Marques Mendes. Basta ser um exemplo de seriedade, honestidade e credibilidade.

Anónimo disse...

Diz essa senhora Ferreira Leite que o problema do DESEMPREGO - pouco ou nada tem a ver com a CRISE INTERNACIONAL tem a ver sim com a má política do GOVERNO PS. Não há dúvida que esta senhora nem demagogia sabe fazer. Não sabe falar verdade! O eleitorado consciente não lhe vai fazer a vontade porque sabe a trapalhona que ela é por experiências anteriores. ENTÃO SE O PSD ESTÁ SEMPRE A FALAR NO GRANDE NÚMERO DE DESEMPREGADOS COMO SE FOSSE GOVERNO E TEM UMA SOLUÇÃO PARA O PROBLEMA PORQUE NÃO A APLICA NO" PARAÍSO AUTÓNOMO DA MADEIRA" CUJO DESEMPREGO SUBIU 50% ?

Anónimo disse...

Manuela Ferreira Leite tem sobre a sua mesa, desde 2 de Fevereiro de 2004, um despacho do secretário de Estado do Orçamento favorável ao pagamento das verbas de IRS que, nos termos da Lei de Liberdade Religiosa (lei 16/2001 de 22 de Janeiro), foram doadas pelos contribuintes para fins religiosos de beneficência ou para fins humanitários. O gabinete da ministra não deu qualquer justificação para esse congelamento até ao fecho desta edição.
A demora na atribuição destas verbas, que se prolonga desde 2002, vai contra todos os pareceres técnicos, tanto dos diversos serviços do Ministério das Finanças como da própria Provedoria da Justiça, que deu razão às queixas de organizações não-governamentais. Apesar desses pareceres técnicos e das decisões dos secretários de Estado do Orçamento e dos Assuntos Fiscais, a decisão de não facultar essas verbas indicia ser política.

Confiança da Ministra das Finanças portuguesa. 11/05/04 Manuela Ferreira Leite considera que as previsões da OCDE não alteram o rumo de Portugal. A ministra das Finanças considera que não existem razões para alterar o rumo que Portugal tem seguido, apesar da revisão em baixa das previsões de crescimento, avançadas pela OCDE.

Anónimo disse...

Manuela Ferreira Leite e o Citigroup

A operação de cedência de créditos fiscais e da Segurança Social ao Citigroup, realizada por Manuela Ferreira Leite enquanto ministra das Finanças do Governo PSD/CDS-PP, está a ficar cara ao Estado: dos 11, 44 mil milhões de euros cedidos ao Citigroup em 2003, mais de 3,74 mil milhões foram substituídos por outros créditos cobráveis dos anos seguintes. Com esta substituição, o Estado cedeu ao Citigroup um montante total de créditos de cerca de 15,2 mil milhões de euros. …
DISCURSO DIRECTO

“FOI UM MAU NEGÓCIO PARA O PAÍS”, Nogueira Leite, Ex-secretário de Estado

Agora que se fala nesta senhora é bom não esquecer o que ela prevê para a escola pública. ABRIL DE 2008

A ex-ministra das Finanças Manuela Ferreira Leite afirmou esta terça-feira que se o Governo for honesto não pode baixar os impostos e defendeu que o Estado deve retirar-se de sectores como a saúde e a educação, noticia a Lusa.
«Se o Governo quiser ser sério e honesto não tem nenhuma margem para baixar impostos», declarou Manuela Ferreira Leite, nas jornadas parlamentares do PSD, que terminam hoje em Vilamoura, no Algarve.
«Não existe margem de redução de receita para conseguir colmatar qualquer tipo de aumento [de despesa]», alegou, apontando a eventualidade, por exemplo, de um crescimento das despesas com desemprego face ao valor previsto.
Questionada depois pelos deputados do PSD sobre as funções do Estado, Manuela Ferreira Leite respondeu que começaria por privatizar «aqueles sectores em que os privados já estão, como a saúde a educação».
«São dois sectores em que não vejo porque é que o Estado não se retira», disse, referindo que «antes pelo contrário, [o Estado] cada vez está a entrar mais».

Anónimo disse...

A propósito dos apoios às Empresas - as confederações patronais dizem pela voz dos seus representantes que o governo está a agir bem perante a crise. A "Velhota" diz que são medidas desgarradas e anúncios pré-eleitorais. Será que a "MULHER DO SORRISO FALSO" anda a preparar-se para abandonar o PSD e criar uma nova confederação patronal? Tanta preocupação pelo "vil metal" cheira-me a Indios.

A DEMAGOGIA

A líder do PSD teve mais uma tirada infeliz ao considerar que Sócrates devia estar numa cimeira informal em Bruxelas e não no encerramento do congresso do PS. Vivemos numa democracia partidária, pelo que um congresso não é uma festa, é uma reunião política destinada a aprovar propostas para o País. Pior quando a tirada vem de alguém que se ausentou do País no último dia das directas no PSD, com o País bloqueado por uma greve de camionistas.

Volta assim, mais uma vez, a falhar a sua ressurreição política enquanto líder da oposição. Ficámos a saber que (não se riam) se algum dia for primeira-ministra (numa mera ficção), não faltará a nenhuma cimeira em Bruxelas nem que tenha "40 graus de febre".Só persiste a dúvida do que acontecerá se, um dia, nascer mais um neto em data inoportuna.

Anónimo disse...

Quem não se lembra de uma das primeiras decisões de Paulo Portas, ministro da defesa do Governo de Durão Barroso, em que Manuela Ferreira Leite era ministra das finanças?
A decisão de Paulo Portas passou por definir como residência oficial do Ministro da Defesa o forte de São Julião da Barra. Uma decisão inédita no Portugal Democrático… Para além de ser o único ministro a ver satisfeito este capricho, decisão eticamente questionável numa época em que o País vivia maus dias… As despesas de manutenção e despesas de remodelação, decoração ficaram no segredo dos Deuses…
Quem não questinou esta decisão foi Manuela Ferreira Leite, que tinha anunciado gerir as finanças de Portugal com rigor e viu naquela despesa, um gasto essencial para o bem estar de Paulo Portas… perdão… do País…. Uma despesa prioritária para Paulo Portas… perdão… para o País…

Anónimo disse...

Presidente de Câmara do PSD vai homenagear o antigo ministro da Economia de Sócrates. A inauguração de uma avenida em Paços de Ferreira com o nome de Manuel Pinho.

marceano disse...

O método de Hondt, o adoptado para as eleições portuguesas, favorece menos as minorias, as mais pequenas..nos maiores pensamentos.
Favorece mais e bem,para os que lá estão, as pequenas maiorias que se situem mais no topo dos resultados.
Chamo a isto, dividir para reinar...
Assim, se todos se abstiverem, ou em branco, menos "eu", serei o próximo chefe do governo. Democracia,, se eu.. quizesse...esta, hoje.Aliás, nunca, aqui.
Esta é a regra.

O voto em branco é de facto a melhor arma do povo.
Se ninguém ganhar na sequência dos votos em branco de todos, é um imbróglio, nem sei se haverá alternativa a seguir, a não ser novas eleições...ad infinitum...país parado, os impostos não, uma certa chantagem das lideranças... que no fim de cada mês recebem os seus salários..na política não há lay offs nem desemprego..

A abstenção quer dizer que se estão borrifando para tudo isto, então, volta-se ao principio.. e assim sucessivamente...voltamos ao Afonso Henriques, papas de Roma, cruzados mercenários,ou, mercenários recrutados... etc, etc..

Tantas regras para um problema sem solução.!! Dizem..os interessados, os das listas elegíveis e os dos tachos seguidistas.

Mudem as regras, contem com os cidadãos: os que votam.
Apenas~~.!!
Os que pagam tais direcções, todas.. os que produzem receita para sustentar tanta prevaricação dos direitos/deveres de Portugal.

O voto tem de ser obrigatório. Nem sei porque é que Bruxelas não o impõe.. como aparente..dono dos Fundos, país onde o voto é obrigatório, mesmo..!!!
Um governo terá de saber, a sério..e exactamente, que Pais governa, se quizer fazê-lo a sério.
Ou então será apenas uma palhaçada,mais uma, mas esta TOCA-NOS !!
Para reflectir.
Já estou cansado disto, pouco se aprende e menos se sabe, por cá.
Cumprimentos.

marceano disse...

Para que se clarifique o que escrevo, rectificarei:
O voto é a arma do povo, muito repetida. Quiz dizer:
O povo é que é a arma do voto.. e isto é mesmo verdade.
O voto, actualmente, traz eleitos, a fome traz miséria.
A arma traz guerra.
Que o voto obrigatório valha, trará paz.
Dará então, melhor, para todos.
50% de Portugal +/-, não vota.
É isto a democracia portuguesa??
Votemos então, acordemos os 50% que se estão borrifando para este sistema. Não gostando, abstéem-se.
Apenas.

Anónimo disse...

Mas está tudo maluco ou quê?
Então isto está melhor do que antes?
Só para a malta dos bancos!!!

Anónimo disse...

O voto obrigatório é apanágio do socialismo autoritário. É também (mais) uma maneira de controlar melhor o cidadão.
Se o voto é a arma do povo, não votes ou ficas sem arma!