quarta-feira, fevereiro 10

Mário Crespo - O Palhaço

O palhaço compra empresas de alta tecnologia em Puerto Rico por milhões, vende-as em Marrocos por uma caixa de robalos e fica com o troco.
E diz que não fez nada.
O palhaço compra acções não cotadas e num ano consegue que rendam 147,5 por cento. E acha bem.
O palhaço escuta as conversas dos outros e diz que está a ser escutado. O palhaço é um mentiroso. O palhaço quer sempre maiorias. Absolutas.
O palhaço é absoluto.
O palhaço é quem nos faz abster. Ou votar em branco. Ou escrever no boletim de voto que não gostamos de palhaços.
O palhaço coloca notícias nos jornais.
O palhaço torna-nos descrentes. Um palhaço é igual a outro palhaço. E a outro. E são iguais entre si. O palhaço mete medo. Porque está em todo o lado. E ataca sempre que pode. E ataca sempre que o mandam. Sempre às escondidas. Seja a dar pontapés nas costas de agricultores de milho transgénico seja a desviar as atenções para os ruídos de fundo. Seja a instaurar processos. Seja a arquivar processos. Porque o palhaço é só ruído de fundo. Pagam-lhe para ser isso com fundos públicos. E ele vende-se por isso. Por qualquer preço.
O palhaço é cobarde. É um cobarde impiedoso. É sempre desalmado quando espuma ofensas ou quando tapa a cara e ataca agricultores. Depois diz que não fez nada. Ou pede desculpa.
O palhaço não tem vergonha.
O palhaço está em comissões que tiram conclusões. Depois diz que não concluiu. E esconde-se atrás dos outros vociferando insultos.
O palhaço porta-se como um labrego no Parlamento, como um boçal nos conselhos de administração e é grosseiro nas entrevistas.
O palhaço está nas escolas a ensinar palhaçadas. E nos tribunais. Também.
O palhaço não tem género. Por isso, para ele, o género não conta. Tem o género que o mandam ter. Ou que lhe convém. Por isso pode casar com qualquer género. E fingir que tem género. Ou que não o tem.
O palhaço faz mal orçamentos. E depois rectifica-os. E diz que não dá dinheiro para desvarios. E depois dá. Porque o mandaram dar. E o palhaço cumpre.
E o palhaço nacionaliza bancos e fica com o dinheiro dos depositantes. Mas deixa depositantes na rua. Sem dinheiro.
A fazerem figura de palhaços pobres.
O palhaço rouba. Dinheiro público. E quando se vê que roubou, quer que se diga que não roubou. Quer que se finja que não se viu nada.Depois diz que quem viu o insulta. Porque viu o que não devia ver.
O palhaço é ruído de fundo que há-de acabar como todo o mal. Mas antes ainda vai viabilizar orçamentos e centros comerciais em cima de reservas da natureza, ocupar bancos e construir comboios que ninguém quer. Vai destruir estádios que construiu e que afinal ninguém queria. E vai fazer muito barulho com as suas pandeiretas digitais saracoteando-se em palhaçadas por comissões parlamentares, comarcas, ordens, jornais, gabinetes e presidências, conselhos e igrejas, escolas e asilos, roubando e violando porque acha que o pode fazer.
Porque acha que é regimental e normal agredir violar e roubar.E com isto o palhaço tem vindo a crescer e a ocupar espaço e a perder cada vez mais vergonha.
O palhaço é inimputável. Porque não lhe tem acontecido nada desde que conseguiu uma passagem administrativa ou aprendeu o inglês dos técnicos e se tornou político.
Este é o país do palhaço.
Nós é que estamos a mais.
E continuaremos a mais enquanto o deixarmos cá estar.
A escolha é simples.
Ou nós, ou o palhaço.

3 comentários:

Anónimo disse...

Uma coisa eu tenho de reconhecer na oposição ao PS:ataca com todas as armas, mas todas que tenha ao dispor ou se tiver poucas inventa e difama impiedosamente!
Eu não vou dizer que Sócrates seja um santo ou esteja completamente isento nos problemas da comunicação social, mas é certo é que também não vejo outas "asas" no Parlamento!O SR. Mário Crespo também deveria olhar para dentro do seu Partido:um Ex palhaço que andava de Jaguar e que depois quis andar de submarino,uma vez que morava à beira rio numa vivenda fortificada paga também pelo zé!
E a actuação de Paulo Rangel no Parlamento Europeu? Não é preciso dizer muito!Quanto a mim é praticamente crime lesa Pátria!

Anónimo disse...

Claro que Sócrates poderá ser flor que não se cheire. Mas nunca vi um governante ser tão atacado como este. E nunca vi uma oposição tão nula como esta. Um PSD completamente dividido, cuja única finalidade é atacar Sócrates. Somos um povo que não governa nem se deixa governar. Nunca como agora a carta de Eduardo Prado Coelho retrata tão bem o povo que somos.

Anónimo disse...

O problema é que é o Sócrates que está no governo e que o PS é quem mais anos tem estado no poder.
O problema do Sócrates não é o do caso Face Oculta, é o "pacote": um curso manhoso (exames ao domingo, 1 professor para várias cadeiras, exames por fax...);o caso Cova da Beira (que envolve professores do tal curso); o Freeport (primos, tios, amigos); Face Oculta (amigos, correlegionários, empresas públicas...); mentiras na AR. Casos que não abonam a favor do carácter da criatura e da gente que ele escolhe e suporta (e que o suportam).