sábado, janeiro 13

Alguém me explica?

Esta semana foi, para mim, marcada pela morte estúpida de um jovem de 18 anos! Uma mota, um semáforo, um carro que aparece, a colisão inevitável, e....a morte!
"Malditas motas...."
Sempre que acontecem casos destes lembro-me da "luta" que travei com o meu Pai para que me desse uma mota! E a resposta era sempre a mesma:- "Quando tiveres idade tiras a carta e andas de carro!"
Pelavras sábias de alguém , que já naquela altura, diáriamente "convivía" com sinistrados por acidentes de motorizadas!
Fui crescendo e fui-me apercebendo da quantidade enorme de pessoas que vítimas de acidentes de motorizada ficávam inválidas para o resto da vida! Mesmo nessa altura, alguns, felizmente poucos, Amigos, perderam a vida!
As motorizadas deram lugar às potentes motas, o volume de tráfego aumentou imenso, o nível de vida evoluiu, e hoje circulam dezenas, senão centenas de milhares dessas "bombas" nas nossas estradas! E não me vou pôr aqui a falar dos "malucos das motas"! Se há "motards" inconscientes, ainda há mais automobilístas! A diferença é só uma:- "no carro há chapa para amolgar mas nas motas quem fica amolgado é o fisíco!"
Temos que sensibilizar tudo e todos que circulam na estrada para os perigos que nelas existem!
Porque será que somos dos países com maior sinistralidade rodoviária? Porque o ensino é o que é, porque o nosso civismo é o que é, poruqe as estradas estão como estão, porque as autoridades só fazem andar na "caça à multa", porque é nas escolas que se devia aprender a ser condutor, enfim, por um rol interminável de questões que toda a gente vê mas que ninguém faz nada!
E assim os dias passam iguais aos dias que vão distantes.....
Voltando à morte deste jovem, alguém me explica porque há milhares de pessoas idosas sofrendo no seu leito de morte, de onde já não conseguem sair, sofrendo e fazendo sofrer, para quem o partir seria uma benção, que continuam no seu martírio, e um jovem, cheio de vida, de esperança, de querer e de ser, "parte" assim quando ainda estava "nos primeiros metros da estrada da sua vida?"
A música é "Muda De Vida", dos "Humanos"!

8 comentários:

J. Seita disse...

Tens toda a razão Pedro, eu tive alguns amigos que partiram dessa maneira, por isso e por iniciativa própria nem sequer tirei carta de mota, mas todas ssa mortes e acidentes teêm para mim uma resposta, FALTA DE CIVISMO, ando há muitos anos na estrada, de carro e ás vezes de bicicleta e vejo cada uma ...

Bem hajas

Um abraço

J. Seita

adão contreiras disse...

Olá Pedro, és tu que és o filho do Cabeçadas, médico de Loulé? Lembro-me de tocarem na vossa garagem em Loulé.
Adão Contreiras.

Pecaaas disse...

Olá, Contreiras.
Sou esse mesmo que tocáva na garagem da casa de meus Pais.
vai aparecendo
abr
pedro

Lilis disse...

Hello!
Eu até gostava de ter uma mota... os meus pais tb nunca acharam muita graça em oferecer-me uma...
mas andar de mota, deixa realmente o corpo mais sujeito a perigos...
beijinhos...
até logo!

Manuel R. disse...

Caro Pedro, comungo das tuas preocupações.
Quanto à parte final do teu "post", não estou de acordo quanto à extrapolação que dele parece querer sair...se levada às últimas consequências... Isso conduzir-nos-ia à prática da eutanásia.
E, na verdade, só Deus nos pode tirar a vida que nos deu.
Agora, que é duro ver partir um jovem... nada deve ser mais duro.
Quem compreende o mistério da Vida e da morte?
Só a Fé nos poderá dar alguma resposta - e Jesus, Ressuscitado, veio apontar e demonstrar-nos que a Vida não acaba aqui, que ela continua junto do nosso verdadeiro Pai. De resto, só nesta certeza a vida terrena pode adquirir o seu pleno significado.
Abraço!

Patricia disse...

Eu adoro motas e vibro com a concentração de motas em Faro, mas temo-as bastante.
O meu namorado sempre quis comprar uma mota e eu chantageei-o como pude (infantilmente, já que ele não ouvia a razão). Consegui que ele não comprasse uma mota, mas agora está a tirar a carta de mota.

Anónimo disse...

Palavras sábias!
Também já tive um brutal acidente de moto. Felizmente estou cá!
Deixei de andar de moto.

António Almeida disse...

Esse pobre Zé Pedro foi meu aluno, deu-me muito que fazer,por afoito ser, pela sua ânsia de viver... deixo aqui a minha despedida e a promessade nos encontraremos!
mas, eu tratarei de que isso aconteça,maistarde do que cedo...
porque eu vivo a vida "devagar"!