sábado, dezembro 13

Para onde vai esta “coisa”?

Para onde vai esta “coisa”?
“Esta coisa” a que alguns chamam país e outros baptizaram de Portugal, caminha a passos largos para o caos!
Os representantes do povo, ditos deputados, dão exemplos de uma falta de respeito tremenda por quem os elegeu e pela Constituição “da coisa”!
Numa qualquer empresa, se um funcionário picar-o-ponto e depois se ausentar, é motivo de justa causa para despedimento!
Será que os senhores (?) deputados que fazem o mesmo não deviam ser corridos?
Não basta uma grande parte deles nada fazer na Assembleia da República, e ainda se dão ao luxo de estarem presentes, ausentes!
Alguns destes senhores (?) nem sabem como chegaram a deputados!
O Algarve já elegeu um deputado que, salvo erro era da Figueira da Foz, e que da nossa zona conhecia Vilamoura, Vale de Lobo e pouco mais!
E de quem é a culpa?
Em última instância é de todos nós, eleitores, que os pomos lá!
Mas, se os problemas fossem só esta “espécime”, “a coisa” lá ia andando!
Mas, os governantes não lhes ficam atrás!
Salvam os bancos dos amigos com o dinheiro do Zé Povinho!
Dizem eles que estão a salvaguardar os interesses de quem tem o seu dinheiro nos bancos!
Que bem-intencionados eles estão!Baixam as taxas de referência mas o Zé Povinho continua a pagar o mesmo! Então quem fica a ganhar?
Os bancos dos amigos!
Sabem o que se vai passando em várias instituições, mas fingem que nada sabem!
Já se ouve dizer:- “Se querem guerra vão ter guerra”!
Os diálogos entre sindicatos e governo, são diálogos de mudos que a nada conduzem!
Os combustíveis sobem e descem conforme o que se resolve em reuniões secretas das partes interessadas!
O Governo fala, mas nada diz, até porque faz parte do conluio!
O julgamento Casa Pia arrasta-se penosamente e provavelmente vão de cana o BiBi e alguns ex-alunos e as vedetas saiem absolvidas e ainda vão pedir indemnizações que o Zé Povinho é que vai pagar!
O desemprego continua a aumentar!
As reformas são de miséria para que trabalhou toda uma vida, enquanto os tais “senhores”(?) com meia dúzia de anos de serviço reformam-se com montantes escandalosos que chocam qualquer pessoa normal!
A saúde vai de mal a pior! Quem não tem um sistema privado de saúde, morre à espera de ser atendido!
No ensino, discute-se muito e ensina-se pouco! O que interessa é fazer passar a miudagem! Temos que “mandar para a Europa” taxas de êxito exemplares! Estamos a formar jovens que têm um um percurso escolar limpo, mas que nada sabem! São estes jovens que vão um dia governar “esta coisa”!
A criminalidade continua a aumentar!
A guerra entre “gangs” está instalada!
Podia ficar aqui o resto do dia a falar das tristezas desta “coisa”!
E com este cenário, onde é que vamos parar?
Aproximam-se tempos muito difíceis!
O Governo finge que tem tudo sobre controle!
Os problemas de ordem social surgem todos os dias com novos contornos!
Brevemente vamos começar a ver os nossos vizinhos no desemprego, enquanto não nos tocar a nós!
Os custos deste desemprego vão chegar a valores que o Sistema não vai ter capacidade de resposta!
E depois? O que resta? A guerra civil?
Queira Deus que tudo isto que digo não passe de um chorrilho de asneiras!
Mas, todos devemos pensar um pouco no que nos espera e antecipar soluções, se é que as há, para não sermos apanhados deprevenidos!
E assim vamos vivendo nesta “coisa”! Até quando?

6 comentários:

Anónimo disse...

vamos la a ver se nos deixam chegar as eleições para correr com esta gente toda e pôr lá alguem que queira fazer algo de util. ainda se era capaz de arranjar umas pessoas decentes para tomar conta disto. A começar pelo Algarve para não dizer Faro que pelo que por ai se ouve não vai ficar nada bem na figura. Ja era do pé de Olhão, agora querem um de Tavira. Que tal Ayamonte ou Huelva?
Zé Francisco

mareiro disse...

que nunca te doam os dedos a escrever estas denúncias!!! é preciso acordar esta gente que, hiptnotizada, assiste a este desfile de escândalos que partem de quem deveria constituir um exemplo para todos os cidadãos.
cada vez me pesa mais este b.i. de cidadão nacional!!!! arre porra que é demais!!!!
h.a.

Anónimo disse...

Subject: A Crise - RAP




Ou estou fortemente enganado (o que sucede, aliás, com uma frequência
notável), ou a história de Portugal é decalcada da história de Pedro e o
Lobo, com uma pequena alteração: em vez de Pedro e o Lobo, é Pedro e a
Crise.

De acordo com os especialistas - e para surpresa de todos os leigos,
completamente inconscientes de que tal cenário fosse possível - Portugal
está mergulhado numa profunda crise. Ao que parece, 2009 vai ser mesmo
complicado.

O problema é que 2008 já foi bastante difícil. E, no final de 2006, o
empresário Pedro Ferraz da Costa avisava no Diário de Notícias que 2007 não
iria ser fácil. O que, evidentemente, se verificou, e nem era assim tão
difícil de prever tendo em conta que, em 2006, analistas já detectavam que o
País estava em crise. Em Setembro de 2005, Marques Mendes, então presidente
do PSD, desafiou o primeiro-ministro para ir ao Parlamento debater a crise
económica. Nada disto era surpreendente na medida em que, de acordo com o
Relatório de Estabilidade Financeira do Banco de Portugal, entre 2004 e
2005, o nível de endividamento das famílias portuguesas aumentou de 78% para
84,2% do PIB. O grande problema de 2004 era um prolongamento da grave crise
de 2003, ano em que a economia portuguesa regrediu 0,8% e a ministra das
Finanças não teve outro remédio senão voltar a pedir contenção. Pior que
2003, só talvez 2002, que nos deixou, como herança, o maior défice
orçamental da Europa, provavelmente em consequência da crise de 2001, na
sequência dos ataques terroristas aos Estados Unidos. No entanto, segundo o
professor Abel M. Mateus, a economia portuguesa já se encontrava em crise
antes do 11 de Setembro.

A verdade é que, tirando aqueles seis meses da década de 90 em que chegaram
uns milhões valentes vindos da União Europeia, eu não me lembro de Portugal
não estar em crise. Por isso, acredito que a crise do ano que vem seja
violenta. Mas creio que, se uma crise quiser mesmo impressionar os
portugueses, vai ter de trabalhar a sério. Um crescimento zero, para nós, é
amendoins. Pequenas recessões comem os portugueses ao pequeno-almoço. 2009
só assusta esses maricas da Europa que têm andado a crescer acima dos 7 por
cento. Quem nunca foi além dos 2%, não está preocupado.

É tempo de reconhecer o mérito e agradecer a governos atrás de governos que
fizeram tudo o que era possível para não habituar mal os portugueses. A
todos os executivos que mantiveram Portugal em crise desde 1143 até hoje,
muito obrigado. Agora, somos o povo da Europa que está mais bem preparado
para fazer face às dificuldades.

Compadre Alentejano disse...

Era bom que o PSD se transformasse em alternativa credível ao PS. Mas, até ao momento, nada.
O PSD, a nível nacional é um nado morto e, a nível regional, idem.
Assim, não vão lá...
Compadre Alentejano

Anónimo disse...

Acho melhor instaurar a Monarquia... Que tal?

Camila disse...

Olá, Pedro.

O teu texto sugere-me a seguinte observação:

Continuemos a votar nos mesmos que continuaremos a ler tantas e tão oportunas prosas como esta.

Abracinho.

Camila