quarta-feira, outubro 28

H de HOSPITAL

O Hospital de Faro abriu no final de 1979.
Foi um longo processo de construção, com a obra parada várias vezes por períodos mais ou menos longos, o que provocou a deterioração do edifício, e obrigou a que se fizessem várias intervenções de recuperação mesmo antes de começar a funcionar!
Esta situação deixou sequelas que ficaram para sempre e que com o tempo se agravaram provocando problemas graves ...
Depois do edifício veio a fase de instalação de equipamentos!
Foi outro processo que não correu da melhor forma a ponto de alguns anos depois de ter começado a trabalhar, ainda havia equipamentos encaixotados para serem instalados!
Por fim chegou a fase de recrutar pessoal a todos os níveis!
Também este foi um processo complicado, não só porque o quadro de pessoal era reduzido para as necessidades e sobretudo porque havia dificuldade para que os profissionais da saúde se fixassem em Faro!
Apesar do Hospital dispor, à data, de um lar, era extremamente pequeno para a quantidade de pessoas que era preciso alojar!
Em resumo, pode dizer-se que começou mal!
E quem nasce torto tarde ou nunca se endireitará! A qualidade de serviços prestados, que com demasiada frequência é posta em causa, não me parece muito diferente de outros hospitais do país!
Mas, há uma diferença abismal no que toca a informação que sai do hospital para o domínio público e para a imprensa! Os incidentes que acontecem, fundamentalmente no Serviço de Urgência, acontecem noutros sítios!
Só que nesses sítios os assuntos são resolvidos internamente e não aparecem na praça pública! Em Faro, contrariamente, todo e qualquer problema que ocorre no hospital sabe-se imediatamente em “todo o mundo!”
Posso falar da assistência do hospital, com conhecimento de causa! Já por 3 vezes estive lá hospedado e só posso dizer que a assistência é excepcional!
O profissionalismo de toda a gente é excelente, e o calor humano não fica atrás!
Confesso que me custa ouvir aquelas notícias bombásticas sobre o Hospital de Faro!
Estou certo que alguns leitores do “Faro Este” vão concordar comigo!
Então o porquê da fama do nosso hospital ? Fundamentalmente pelo Serviço de Urgência! Aqui sim, há problemas todos os dias, não por falta de eficiência dos profissionais, mas sobretudo porque não há condições físicas para se trabalhar!
É um espectáculo triste ver os corredores cheios de macas com doentes que chegam a ali estar mais de 24 horas!
Não havendo condições para trabalhar é sempre mais fácil ocorrerem incidentes!
Mas, nos outros hospitais acontece o mesmo! Só que esses incidentes não aparecem logo nas páginas dos jornais!
O nosso hospital há muito que está ultrapassado, se é que não começou logo assim!
É de primeira necessidade a construção do futuro hospital central do Algarve!
Fala-se muito, mas o processo parece também estar doente pois não tem força para andar! Teoricamente tudo está preparado para ser feito o concurso e iniciar a construção!
Mas é só teoricamente pois na prática nada s vê!
Entretanto, vão aparecendo unidades privadas o que leva os Farenses ricos a terem cuidados de saúde e os pobres a penarem pelos corredores do velhinho hospital!
Não somos Farenses todos iguais ?
Deixo uma pequena resenha sobre o hospital!
...........................................................................
FWConstruído para substituir o antigo Hospital da Santa Casa da Misericórdia, o Hospital de Faro iniciou a sua actividade a 4 de Dezembro de 1979, após publicação do quadro orgânico de pessoal.

Actualmente é o Hospital de referência do sotavento algarvio, servindo uma população residente de cerca de 253 mil pessoas, podendo este valor populacional duplicar ou triplicar sazonalmente.

Dotado de todas as valências básicas e complementares que permitem ajustar a sua classificação no nível II de diferenciação da Carta Hospitalar, o Hospital Central de Faro constitui-se como um Serviço Público instituído, organizado e administrado a pensar na população e na prestação de cuidados médicos diferenciados a doentes agudos.

Ao longo dos anos muitas foram as adaptações de estrutura e de organização que sofreu, mudanças essas que alteraram a sua capacidade de resposta assistencial com acréscimo dos níveis de complexidade e de subespecialização nos Serviços.


7 comentários:

Anónimo disse...

Mas porque não deve a imprensa denunciar o que está mal?
Se os outros hospitais se calam é lá com eles e com as politiquices dos seus administradores.
Fala-se tanto em falta de transparência, e quando ela existe critica-se?

marceano disse...

Estive lá internado uns 3 dias, há 2 anos.
Quando me deram alta, quase tive "pena"... porque o trato humano foi carinhoso, eficiente. Altamente profissional.
Nunca o esqueci.
Apenas isto.
Irei voltar lá em breve e sinto que não é bem um "hospital", esse lado está salvaguardado, sei que o trato humano é irrepreensível.
Claro, não estou aqui mencionando os médicos, esses são bons profissionais e bons humanos também. E admiro a capacidade de gerirem, todos, a alta tecnologia instalada. Dá-nos segurança, o resto..., bom, será o destino de cada um..
Alivia 50% da pressão psicológica de ter de ser internado outra vez.
Seguramente. É bom pertencer-se a este século.. sem dúvidas algumas e ter acesso a um sistema altamente eficaz. Humano.
Hábitos que não se veem muito, fora daquela área cheia de intensidade do saber....
Transmite confiança.
Repito, o resto...será o destino..!

Anónimo disse...

Não posso concordar com o Sr. Pedro Cabeçadas. Infelizmente acompanhei o meu pai nos vários internamentos que teve no hospital de Faro, em serviços distintos, e constatei que havia bons e maus profissionais, como em todo o lado. Se tivesse que classificar daria nota do Mau ao Muito Bom. De referir que os médicos só lá se encontram no período da manhã a passar "revista" e a prescrever os tratamentos, e, normalmente, são cordiais com os doentes, mas os doentes ficam entregues o resto do dia a enfermeiros e auxiliares que como já disse uns são excepcionais mas outros deviam ir para outra profissão.
Até no Serviço de Oncologia, onde seria suposto que os doentes fossem tratados com dignidade e carinho, vi doentes em fase terminal, como o meu pai, totalmente dependentes, e num sofrimento atroz, serem tratados com maus modos, por uma auxiliar e algumas enfermeiras.
Não é de admirar o Sr. Pedro ser lá bem tratado, pois tem familiares médicos e de enfermagem que certamente têm lá muitos conhecimentos, mas quem vá parar àquele hospital sem ter lá ninguém conhecido sofre muito com a solidão e o desprezo a que é sujeito por parte de alguns profissionais da saúde que só estão ali para ganhar o vencimento não por vocação nem humanismo.
Vi muita falta de humanidade no tratamento dos doentes.
Maria da Conceição

Anónimo disse...

Já lá estive internado também. Gostei tanto que só penso em adoecer outra vez para ter o prazer de voltar. Fico doente só de pensar que posso não adoecer tão facilmente.

Anónimo disse...

Poie eu também não posso falar mal do hospital!
Já lá estive internado e fui muito bem tratado!

Anónimo disse...

São tão tristes, e tão custosos de passar, os dias e as noites em qualquer hospital, mas no hospital de Faro são medonhos.
Em muitos casos o tratamento é desumano, doentes chamam, chamam, pedem ajuda gritando, porque não chegam ou não têm já descernimento para tocar a campainha, e ninguém lhes chega ao pé, e quando chegam ainda repreendem o doente por se queixar. Só dou um exemplo, dos muitos que tenho visto, e este é o mais leve, vi um doente recém operado a uma perna fracturada, e que estava a querer levantar-se, e à beira de cair da cama, fui chamar uma enfermeira que me respondeu bruscamente: "Deixe-o cair"! A maioria das pessoas que passa pelo Hospital de Faro assiste a situações de tratamento desumano a doentes indefesos e carentes, mas não tem coragem dos denunciar porque tem medo de replesálias se tiver que lá ser internado.
Durante a manhã, o que se vê mais são médicos, enfermeiros e auxiliares nos corredores a caminho do bar, ou na parte exterior do Hospital em grupos a fumar e a conversar. Enquanto isso os doentes desesperam e degrada-se a sua saúde, muitas vezes por incompetência de quem devia estar ali para os tratar.
Outras vezes, profissionais de saúde estão a fumar nos pequenos terraços do hospital, e nem têm a preocupação que o fumo do tabaco esteja a entrar pelas janelas dos quartos dos doentes. Alguns com asma e pneumonias, como eu assisti.
Tive um familiar internado no Hospital de Santa Maria em Lisboa, nunca vi a falta de profissionalismo e desumanidade a que tenho assistido no Hospital de Faro, onde, salvo raras excepções, porque também há profissionais de saúde que tratam todos os doentes com a mesma dedicação, só é bem tratado quem esteja bem posicionado na vida ou que tenha familiares influentes.
Estive internado no Hospital da Cuf e acompanhei familiar a tratamentos no Hospital da Cruz Vermelha, e só vi dedicação a 100% aos doentes. Ali todos os profissionais de saúde só estão para trabalhar, e nota-se que estão concentrados no que estão a fazer e os doentes são todos tratados e encaminhados da mesma maneira, e com a mesma atenção, com todo o respeito e dignidade, por isso se vê a taxa de sucesso na cura e nas melhoras dos doentes nesses hospitais.
Por tudo o que tenho assistido no hospital de Faro, quando vejo uma notícia a esse respeito, não fico surpreendido, tudo o que se diz é pouco.
Só que quem tem tratamento "VIP" acha-se no direito de elogiar esse tratamento. Só é lamentável que num Hospital Público, onde tudo é pago com o dinheiro de todos os contribuintes, se movam infuências, e os doentes não sejam todos tratados com a mesma dignidade, que todos merecem.

JCB disse...

O Pedro diz:
"É de primeira necessidade a construção do futuro hospital central do Algarve. Fala-se muito, mas o processo parece também estar doente pois não tem força para andar! ..."
Correcto, não poderia estar mais de acordo.
Só que segundo me consta muita dessa areia na engrenagem foi posta por Macário Correia na qualidade de presidente da AMAL. Espero que como presidente da câmara mude de estratégia e defenda a cidade.