terça-feira, outubro 10

Reformas? Que reformas?

299. O Governo e os Parceiros Sociais assinaram hoje o acordo tendo em vista a reforma da Segurança Social"! Segundo José Sócrates, " a reforma da Segurança Social, acordada em sede de concertação social, responde "pela primeira vez" ao problema do envelhecimento da população em Portugal "de forma coerente, sensata e sustentável".
Não vou aqui discutir a validade do acordo, até porque ainda é cedo! Vamos ver o que se irá passar na A.R.!
Parece-me é que ninguém tem dúvida que as reformas que aí vêm vão ser mais penalizadoras para aqueles que estão "em fim de carreira"!
Falo de milhares de trabalhadores que "programaram o seu fim de vida, preparando-se para poderem finalmente viver", e de repente "esse sonho é desfeito cegamente", deixando-os profundamente tristes e sem qualquer motivação profissional!
Um qualquer trabalhador programou a sua reforma, segundo "as regras do jogo em vigor", para uma determinada altura! Sabe com o que vai contar e faz a sua opção!De repente, "novas regras a meio do jogo" deitam tudo a perder! O que se pode esperar deste trabalhador? Perde a alegria de viver e a motivação para trabalhar!
Será que não seria mais correcto determinar que ....a partir de.... as regras eram outras, deixando os contribuintes com mais tempo de descontos, e mais idosos, terminar o seu trajecto profissional conforme tinham programado?
Assim, a alegria virou tristeza e como canta CarlosMendes_"E Alegre Se Fez Triste".mp3 Posted by Picasa

9 comentários:

Miguel disse...

Pecaas,

Vem ai mais tempo rigoroso!
Nunca mais paramos de apertar o cinto!

Bjks da matilde

sm disse...

Em Portugal o Eng. Sócrates optou por não entrar na corrida dos fundos de pensões privados e dos jogos de casino (sorte ou azar). Muito bem. Mas perante o envelhecimento populacional a solução do Governo como não entra nos financiamentos suplementares para a Segurança Social teve que entrar pela redução das reformas. Normalmente deveriam ir aumentando para 100, mas vão apenas aumentar para 75. É uma redução em relação ao que seria expectável. E vamos ver se perante tal redução muitos não terão de se aventurar suplementarmente e em sobrecarga nos fundos de pensões privados à procura de mais um pouco de reforma.

As reformas justas são um progresso social central da sociedade e que a sociedade no seu todo, capital e trabalho, devem contribuir para esse progresso. Acontece que O Eng. Sócrates só convocou os trabalhadores e os reformados para o sacrifício – vão ver as suas reformas diminuírem. Acontece que o Eng. Sócrates não convocou o capital, os bancos, as seguradoras, as grandes empresas para o sacrifício. Deveria ter sido uma convocatória conjunta.

É verdade que os tempos mudaram. Assim como deveria mudar o actual sistema de cálculo das contribuições para a Segurança Social. Foi criado há 50 anos quando dominavam as empresas de trabalho intensivo. Hoje temos muitas empresas de capital e conhecimento intensivo com muitos lucros, mas que contribuem para a Segurança Social com uma percentagem mais baixa em relação à riqueza criada (o pessoal e as remunerações têm um peso cada vez mais reduzido). As 500 maiores empresas do país e com maior Valor Acrescentado Bruto (VAB) contribuíam com 6% do seu VAB para a Segurança Social enquanto a média geral é de 11%. Devia-se convocar estes também para o sacrifico. Seria importantes diversificar as fontes de financiamento da Segurança Social também por contribuições com base no Valor Acrescentado Liquido (VAL) e não apenas no número de trabalhadores das empresas.

É tempo de recuperar o Pacto Social da distribuição justa da riqueza. Trata-se acima de tudo de encontrar respostas, de olhar para os idosos com dignidade e para o aumento da esperança de vida como um progresso social da sociedade, que no seu conjunto deve encontrar e contribuir para as respostas. A Segurança Social deve ser garantida por toda a economia e não somente pelo volume dos salários.

Anónimo disse...

Mal de quem precisa
MDB

Anónimo disse...

eles falam falam, mas nao dizem nada e fazem ainda menos...
beijos

Anónimo disse...

Eu tenho 30 anos... e acho que não vou ter reforma, só me pergunto porque é que desconto?
TG

Patricia disse...

Eu lamento ser egoísta, mas também gostava de saber para onde vão os descontos que já fiz em 4 anos que trabalho?

Pecaaas disse...

Este cota já tem umas dezenas de anos de descontos! Não sei bem para quê! "A ver vamos como dizia o cego"!
Abr
Pedro

Mikas disse...

Parece-me que esta foto é lá das minhas bandas... no Seixal.

padeirinha disse...

Não saimos da cepa torta: é vira o disco e toca o mesmo!